COLONOSCOPIA VIRTUAL

Colonoscopia Virtual por TAC
Exame não invasivo para rastreio do cancro do cólon e recto!

 

Porque é que o rastreio é importante?
O cancro do cólon e recto é o 2º mais frequente em Portugal, quer no homem (1º é o da próstata); quer na mulher ( 1º é o da mama)

Quando diagnosticado precocemente tem uma grande probabilidade de cura.
Quase todos os cancros do cólon têm inicio em pequenos pólipos, inicialmente benignos e que numa longa (5 -10 anos) transformação tecidular, invadem os tecidos adjacentes transformando-se em cancro.

NORMAL PÓLIPO


É assim possível evitar esta transformação se se removerem estes pólipos.
Um exame de rastreio, mesmo em pessoas assintomáticas è a melhor via para a detecção destes pólipos em fase em que ainda não sofreram transformação em cancro.

A American Cancer Society (ACS) recomenda o rastreio a partir dos 50 anos e reconheceu desde 5 de Março de 2008 a Colonoscopia Virtual como um dos métodos possíveis de rastreio. Saber mais

O que é uma Colonoscopia Virtual?
Na Colonoscopia Óptica (tradicional) o Médico Gastrenterologista introduz através do anus um tubo flexivel, para observar o interior do recto e todo intestino grosso até ao cego.
Na colonoscopia virtual, é efectuado um exame de TAC Abdominal e Pélvico, sendo as imagens transportadas para um computador que tem um software que reconstrói de forma virtual o interior do intestino.
O médico radiologista observa as imagens 2D do TAC e as reconstruções 3D do interior do intestino até ao cego.
A colonoscopia virtual é assim uma alternativa menos invasiva que a tradicional Colonoscopia ou o Clister Opaco.
Veja este video  exemplificativo.

Vantagens da Colonoscopia Virtual
Toda a superfície do cólon é observada para a detecção de pólipos
O exame é relativamente pouco invasivo (usa baixas doses de radiação), com baixo risco
Não necessita anestesia, podendo fazer as suas actividades diárias após o exame.
Considerando a necessidade frequente de anestesia para visualização de todo o cólon, a Colonoscopia Virtual torna-se assim um exame menos dispendioso

Desvantagens da Colonoscopia Virtual
A Colonoscopia Virtual, como o Clister opaco é uma técnica de diagnóstico, e não terapêutica. Se forem identificados pólipos clinicamente relevantes (>10mm) será sempre necessário fazer a Colonoscopia tradional para os remover ou fazer biopsia.
Os detalhes de coloração da mucosa não são visíveis, podendo limitar a caracterização de algumas lesões, contudo destas lesões planas (raras) apenas 0,8% são neoplasias
Tal como na colonoscopia óptica não há garantia de que 100% dos pólipos são identificados. A sensibilidade de ambos os métodos é contudo sobreponivel. (90%)


Quem deve fazer uma colonoscopia virtual?

  • Pacientes com Colonoscopia incompleta ( 40 a 60%)
  • Pacientes sem condições clínicas para Colonoscopia Óptica
  • Pacientes com doença diverticular.
  • Rastreio de Cancro do Cólon e Recto


Embora não se saiba exactamente a causa da maioria dos casos de cancro colo-rectal, há certos riscos que podem facilitar o aparecimento da doença

  • Historia de um familiar em primeiro grau, de cancro colorectal ou pólipos antes dos 60 anos, ou 2 ou mais familiares em primeiro grau em qualquer idade
  • Antecedentes pessoais de pólipos ou cancro.
  • Antecedentes pessoais de doença inflamatória crónica intestinal (Crohn ou colite ulcerosa)

Outros factores de risco incluem

  • Inactividade física
  • Alimentação com muitas gorduras e poucas fibras
  • Baixa ingestão de frutas e vegetais
  • Tabagismo
  • Consumo excessivo de álcool


A maioria dos casos aparece depois dos 50 anos, com um máximo de incidência entre 60 e 70 anos

Como referido acima as últimas recomendações da ACS (American Cancer Society) apontam para o início do rastreio aos 50 anos sendo a Colonoscopia virtual um dos métodos validados. Saber mais - ACS

Como é feita uma Colonoscopia Virtual?
A técnica utiliza um equipamento de TAC que faz uma aquisição em cortes axiais de todo o abdómen superior e da pelve.
Durante o exame é introduzido através do ânus um fino cateter para permitir insuflar gás CO2, controlado por bomba de pressão.

O paciente sente apenas um pequeno desconforto resultante da distensão das paredes do intestino.
Não necessita anestesia nem sedação, permitindo a continuação da actividade diária normal após o exame (pode comer, conduzir, trabalhar)

As dados obtidos são posteriormente trabalhadas com um software que permite criar imagens 3D similares às observadas na Colonoscopia óptica, possibilitando ao Médico Radiologista uma “navegação virtual” por dentro do intestino, para encontrar os pólipos.

Como de um TAC se trata, são igualmente avaliados todos os órgãos do abdómen, e a extensão extra intestinal das lesões.
Veja este video (em inglês) feito na Clinica Mayo.

É doloroso fazer uma Colonoscopia Virtual?

O mais difícil é como em todos os exames do intestino grosso fazer a limpeza do intestino.
O exame tem apenas um desconforto resultante da distensão do intestino, habitualmente descrito com “dores de gases”
Em alguns pacientes pode ser necessário medicação adicional (espasmolitico - Buscopan) para reduzir esse desconforto.